Publicado por: Thiago Césare | outubro 11, 2011

Gaia Village, Garopaba-SC

GAROPABA (amanhã é Dia das Crianças!) Hoje, a escolinha onde a Surya estuda aqui em Garopaba foi visitar a Gaia Village, um centro que “ambiciona criar um exemplo de assentamento humano sustentável, um ambiente amigável para a interação entre a espécie humana e o todo – o Sistema Vivo – Gaia”, como informa a home de seu sítio eletrônico. Fica a uns 10km do centro de Garopaba, saindo em direção à BR 101.

As crianças se divertindo com as minhocas

A família Werlang, do Rio Grande do Sul, adquiriu esta propriedade de incríveis 850 hectares em 1968. Mas foi a partir de 1997, sob a orientação do famoso ambientalista gaúcho José Lutzemberger, que os irmãos Justo e Franco Werlang começaram a implementar o projeto Gaia. A principal atividade econômica do local é a criação de búfalos e gado, com cerca de 300 e 80 animais, respectivamente.

Sistema de energia solar

Segundo Dolizete Zilli, administrador da Village Gaia, já foram estabelecidos diversos corredores ecológicos no local, com o plantio de 200 mil mudas. De fato, a porção da propriedade que pude visitar é repleta de linhas de matas que cortam as diversas áreas de pasto. Só não pude averiguar se as matas foram mesmo colocadas ali ou se apenas são áreas preservadas.

Banheiro seco construído com materiais de demolição

Educação Ambiental é outra atividade oferecida no local. Sandra Severo, bióloga e responsável pela área de EA, me contou que além de escolas de ensino primário e fundamental, universidades e outras instituições de ensino costumam fazer visitas para conhecer a pequena horta local, composteiras, banheiros secos, edificações feitas com material de demolição e o sistema de criação de animais.

As crianças conhecendo um jerivá

O centro, também ligado à Fundação Gaia, faz parte de diversos conselhos e dessa maneira atua também em projetos e assuntos ligados à comunidade de Garopaba.

O local funciona no sistema tradicional de gestão, verticalizado, com proprietários e funcionários.

Para mim, é objeto de meditação entender como um centro que busca um “assentamento humano sustentável” cria tantos animais para corte, ou como um local que cria tantos animais para corte pode ambicionar ser um exemplo de assentamento humano sustentável. Mas friso que não estou julgando ninguém, apenas relativizando a questão, refletindo aqui sobre o que vi lá.

José Lutzemberger, muito respeitado aqui nas bandas do sul.

Criar bois e búfalos implica em espaço, muito espaço, a não ser que seja um sistema de confinamento, mas ai eu nem passava do portão. E espaço significa derrubar árvores para plantar pasto. Por outro lado, é desta atividade, acredito eu, que vêm os recursos para bancar as práticas de educação oferecidas no local.

Não há cursos oferecidos pelo local, nem programas de voluntariado. Mas a Gaia Village, como me informou a Sandra, está sempre de portas abertas à projetos que possam trazer algum benefício sócio-ambiental para a região.

A visita valeu. Estamos na estrada para isso: conhecer e refletir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: